Alexandra Salerno, dançarina contemporânea; Bacharel em psicologia pela Robert Morris University

Os dançarinos que vão para a faculdade às vezes sentem que um diploma em dança é o único caminho para o sucesso profissional. Mas, embora se formar em dança possa ser uma ótima opção, certamente não é a única. A faculdade deve ser um momento de autodescoberta, o que geralmente significa explorar uma variedade de interesses acadêmicos. Conversamos com cinco artistas que escolheram cursos universitários completamente fora do mundo da dança - sem sacrificar suas carreiras de pós-graduação.


Salerno (em cima) em 'Marquee, em um navio de cruzeiro Holland America (foto do EWS Entertainment Group, cortesia de Salerno)



Alexandra Salerno começou seu curso de psicologia na Point Park University. “Enquanto pensava em fazer testes para o programa de dança, já era aprendiz do Bodiography Contemporary Ballet”, diz ela. A diretora da companhia, Maria Caruso, a manteve durante seu tempo em Point Park, o que deu a Salerno a oportunidade de explorar seus dois interesses simultaneamente.

Após seu primeiro ano, Salerno foi transferido para a Universidade Robert Morris para seu programa de psicologia do esporte. “Eles não tinham um departamento de dança, mas me especializei em teatro musical, o que me manteve atuando”, diz ela. A universidade também tem uma parceria com o Pittsburgh Musical Theatre, e Salerno conseguiu um emprego como professor de dança em seu conservatório.

Após a formatura, Salerno dançou para a Holland America Cruise Line antes de cursar a pós-graduação para aconselhamento. Agora, ela dança meio período com a companhia de ex-alunos da Bodiography, BCB3, e com a coreógrafa Gia Cacalano, Gia T. Presents. Quando não está dançando, ela trabalha como terapeuta no University of Pittsburgh Medical Center. “Há muito cruzamento entre meus dois mundos”, diz ela. 'Agora penso na minha mente como parte do meu instrumento, o que significa que cuidar da saúde mental é uma parte importante de ser um dançarino inteligente.'